«Senhor, a quem iremos? Tu tens palavras de vida eterna.”»

S. João 6, 68

Horário das Missas
A partir de dia 15 de julho a 01 de setembro, a igreja Nossa Senhora de Fátima celebra mais Eucaristias.

Saber mais

Catequese
A paróquia de Vila Nova de Milfontes tem catequese para todas as crianças. Se desejar efetuar a sua inscrição para o próximo ano letivo, pode preencher o formulário online.

Saber mais

Sacramentos
“Porque nós fomos feitos por Ele, criados em Cristo Jesus, para vivermos na prática das boas obras que Deus de antemão preparou para nelas caminharmos.”
(Ef 2,10)

Saber mais

Notícias do vaticano e do Santo Padre
Saber mais..

Próximas atividades na paróquia

Festas de Nossa Senhora da Graça: dias 29 e 30 de Agosto de 2020
Dia 29 de Agosto
21.30h – Missa na Igreja de Nª Sª de Fátima seguida de Procissão de velas até à Igreja Matriz.

Dia 30 de Agosto
15h – Igreja Matriz – Procissão no Rio Mira em honra de Nª Sª da Graça com bênção das embarcações e dos pescadores.

 

(...) Dais-vos conta, certamente, de que a cruz está fora de moda. Pouco a pouco, os crucifixos vão desaparecendo dos lares, das escolas, das sepulturas, e até em algumas igrejas foram substituídos por esculturas que lembram vagamente uma cruz mas que evitam a sua elementar simplicidade. O sinal da cruz tornou-se incómodo e deixou de ser sinal de vitória e de bênção para esta sociedade que foi moldada pelo cristianismo, mas que agora, em largos sectores, está renegando a sua identidade. Mas também dentro da Igreja muitos cristãos, mesmo praticantes, não têm as suas vidas iluminadas pelo mistério da Cruz do Senhor. A cruz, o mais horrível instrumento de tortura, é apenas sinal de sofrimento, de morte e de destruição para quem não se encontrou ainda com Jesus Ressuscitado; mas para nós cristãos a cruz é o mais eloquente sinal do amor de Deus e da nossa salvação. (...) Bispo Coadjutor de Beja D. João Marcos Ver artigo completo,
(...)Somos cristãos, acreditamos em Cristo. Professamos com toda a Igreja a mesma fé recebida dos apóstolos de acordo com a Revelação contida nas Escrituras Sagradas do Antigo e do Novo Testamento e na Tradição viva da Igreja. A nossa fé em Cristo está resumida no núcleo central do Credo que desenvolve a primordial profissão de fé de Pedro: “Tu és o Cristo, o filho de Deus vivo” (Mt.16,15-17) que os cristãos dos primeiros séculos resumiram na figura de um peixe dado que as letras da palavra peixe em grego são as iniciais das palavras desta frase: “Jesus Cristo, Filho de Deus, Salvador”. Quem é Jesus?(...) Bispo Coadjuntor de Beja D. João Marcos Ver artigo completo  ,
“Acreditar em Deus?! Isso era antigamente, quando as pessoas eram crédulas e infantis a vida inteira, mas hoje não faz sentido. Eu sou uma pessoa evoluída, sou dono de mim e não preciso de religião. Basta-me acreditar em mim mesmo. Hoje acreditamos no homem e nas suas capacidades, acreditamos na ciência e na técnica, na cultura, no bem-estar, no dinheiro e no trabalho.” Não é raro ouvirmos gente muito convencida falar assim. Para muitos, acreditar em Deus é “ser atrasado”. De facto, o ateísmo contemporâneo, típico da burguesia entusiasmada com o progresso e voltada inteiramente para o material, para o físico e para a exterioridade, revela o espantoso subdesenvolvimento espiritual desta civilização e da sociedade em que vivemos. (...) Bispo Coadjuntor D. João Marcos Ver artigo completo,
Não somos pedras, nem plantas, nem bichos; não somos deuses. Somos homens e mulheres. Somos criaturas como as pedras, mas temos vida. Também as árvores têm vida mas estão presas ao chão pelas raízes. Nós movemo-nos. Também os bichos se movem, mas funcionam regidos apenas por instintos. Nós temos inteligência, memória e vontade. Somos seres humanos ( às vezes bastante desumanos, com coração de pedra; às vezes incapazes de caminhar como as árvores e vivendo irracionalmente… ).Quem somos nós? De onde vimos? Para onde vamos? (...) Bispo Coadjuntor de Beja D. João Marcos Ver artigo completo ,
(...)Jesus revelou aos discípulos que o Espírito Santo é uma Pessoa Divina, a Terceira Pessoa da Santíssima Trindade, o Espírito do Pai e do Filho. O Espírito Santo é Deus Criador e Senhor com o Pai e o Filho. Ele é, diz S. Bernardo, “o abraço do Pai e do Filho, vínculo indissolúvel, amor inseparável, unidade indivisível do Pai e do Filho”. Suma Beleza, Esplendor da Verdade e do Bem, Ele tem a missão de nos santificar, levando à plenitude a obra da Redenção. Ele é a presença misteriosa de Deus atuante na Igreja e no mundo para tornar visível a glória de Deus que é o homem reconciliado e dinamizado pela fé, pela esperança e pela caridade, na comunhão da Igreja. Já no Antigo Testamento o Espírito Se manifestara como uma energia, uma força divina comunicada a homens e mulheres eleitos por Deus para exercerem uma missão concreta em favor do seu povo como juízes, reis e sacerdotes. D’Ele se fala também como o “sopro de Deus” que no princípio pairava sobre as águas, o “dedo de Deus” e “mão de Deus” que realiza prodígios.(...) Bispo coadjuntor de Beja D. João Marcos. Ver artigo completo.,